Mudamos de endereço!

Imagem

Olá, muito obrigado por você ter acessado o nosso blog nesses dois últimos meses, mas o blog precisava de algo novo, nome diferente, algo que poucos pensassem nisso, foi assim que cheguei numa idéia…

Afinal, qual é a página que marcou sua vida? Já reparou que todos os livros que lemos sempre começa a ficar intererssante – ou passa a fazer algum sentido – a partir da sétima página? ou aquela novela que você tanto gostou – ou gosta – de assistir? Você só passa a querer acompanhar direito o enredo a partir do sétimo capítulo. Antes de novela ser uma novela era antes um livro.

Por isso queria fazer um blog de pensamentos mas que não levasse o meu nome no endereço, e sim algo que fosse marcante na vida de todos, por isso o blog passa a se chamar “PÁGINA 7“.

Diversas vezes algo que foi escrito aqui – não somente por mim – ajudou alguém ou mudou o jeito de pensar de alguma pessoa, são vários os motivos que levam a troca de endereço e de nome, mas com a mesma essência que é estimular você leitor a observar a vida de uma forma diferente e o blog continua com a mesma proposta: ser um Espaço para Pensar e Refletir.

Por mais que os posts antigos estejam também no novo blog, decidi deixar uma cópia no antigo endereço para que os links já salvos na Página do Facebook não quebrem, repostar tudo levaria semanas.

O nosso novo endereço é:
http://paginasete.wordpress.com/

Nos encontramos no Página 7, até lá!!!

Advertisements

Amigos distintos

ser-amigo-e

Éramos amigos e tornamo-nos estranhos um ao outro.
Está bem, não nos esconderemos nem dissimularemos nada um ao outro,
não temos de chorar por coisa nenhuma.

Somos dois navios, cada um tem o seu caminho e o seu destino.
Cruzamo-nos por acaso, celebramos juntos uma grande festa
e então esses dois corajosos navios repousaram,

Tão tranquilamente no mesmo porto e sob o mesmo sol que parecia terem os dois atingido um objetivo que lhes era comum.

Mas a força poderosa do nosso dever expulsou-nos novamente para mares e sóis diversos e talvez não nos vejamos mais, ou então, voltar-nos-emos a nos ver sem nos reconhecermos: os mares e os sóis diferentes ter-nos transformado.

Diego Braitelle Diegues

Ninguém é superior a ninguém

Certo dia, uma mulher avistou um mendigo, sentado em uma calçada nas ruas de São Paulo…
Aproximou – se dele, e como o pobre coitado, já estava acostumado a ser chacoteado por todos a ignorou…

Um policial, observando a cena, aproximou – se:
– Ele está te incomodando senhora?

Ela respondeu:
– De modo algum, eu é que estou tentando levá-lo até aquele restaurante, pois vejo que está com fome e até sem forças para se levantar. O senhor me ajuda senhor policial a levá-lo até o restaurante?

Rapidamente, o policial a ajudou e o pobre homem, mesmo assim não querendo ir, pois não acreditava que isso estava acontecendo. Chegando ao restaurante o garçom que foi atendê-los, disse sem pestanejar:
– Me desculpe Senhora, mas ele não pode ficar aqui… Vai afastar os meus clientes!

A mulher abaixou e levantou os olhos e disse:
– Sabe aquela enorme empresa ali na frente – apontou com o dedo – três vezes por semana, os diretores de lá juntamente com clientes vem fazer reuniões nesse restaurante, e sei que o dinheiro que deixam aqui é o que mantém esse restaurante. Pois é, eu sou a proprietária daquela empresa. Posso fazer a refeição aqui com o meu amigo… Ou não?

O garçom fez um gesto positivo com a cabeça, o policial que estava de longe observando ficou boquiaberto e o pobre homem deixou cair nesse momento uma lágrima de seus sofridos olhos.

Quando o garçom se afastou, o homem perguntou:
– Obrigado Senhora, mas não entendo esse gesto de bondade.

Ela segurou em suas mãos, e disse:
– Não se lembra de mim, João?
– Me parece familiar – respondeu – mas não me lembro de onde.

Ela, com lágrimas nos olhos, disse:
– Há algum tempo atrás, eu recém-formada vim para São Paulo… Sem nenhum dinheiro no bolso… Estava com muita fome… Sentei-me naquela praça aqui em frente, por que tinha uma entrevista de emprego naquela empresa onde hoje é minha. Quando se aproximou de mim um homem com um olhar generoso. Lembra-se agora João?

Ele, em lágrimas afirmou que sim.

– Na época o senhor trabalhava aqui, naquele dia fiz a melhor refeição da minha vida, pois estava com muita fome e até sem forças. Toda hora eu olhava para o senhor pois estava com medo de prejudicá-lo, pois estava ali comendo de graça. Foi quando vi o senhor tirando dinheiro do seu bolso e colocando no caixa do restaurante, fiquei mais aliviada. E sabia que um dia poderia retribuir, alimentei-me e fui com mais forças para a minha entrevista. Na época, a empresa ainda era pequena… Passei na entrevista, me especializei, ganhei muito dinheiro, acabei comprando algumas ações da empresa, e com o passar do tempo consegui virar a proprietária e fazer a empresa ser o que ela é hoje.
Procurei pelo senhor mas nunca o encontrei… Até que hoje, o vi nessa situação. Hoje o senhor não dorme mais na rua… Vai comigo para a minha casa… Amanhã compraremos roupas novas, e o senhor vai vir trabalhar comigo…

Abraçaram-se, chorando.

O policial, o garçom e os demais, que viam essa cena, se emocionaram diante da grande lição de vida, que tinham acabado de presenciar!

MORAL DA HISTÓRIA:
Faça sempre o BEM… Um dia ele retornará em dobro para você.

Texto retirado e adaptado de uma página da rede social Facebook.